Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MARIA INÊS ANTUNES

Nutricionista

MARIA INÊS ANTUNES

Nutricionista

Pizza sem glúten

por Maria Inês Antunes, em 22.05.16

 

E se o segredo não estiver "na massa" e sim na base da pizza?

 

IMG_20160522_172510.jpg

 

Desta vez trago-vos uma receita de fast food transformado em healthy food.

É uma pizza simples, rápida e saudável.

Querem experimentar?

 

Utilizei os seguintes ingredientes:

 

- batata doce ( utilizei a cor-de-laranja porque cozinha mais rapidamente)

- queijo em fatias - frango (pode substituir por: atum, ovo cozido, salmão, entre outros)

- tomate

- oregãos q.b.

 

Disponha a batata doce em rodelas, no tabuleiro, para fazer a base.

Coloque os restantes ingredientes e por fim o queijo e os órgãos. Leve ao forno.

 

Eis o resultado:

 

IMG_20160522_192156.jpg

 

Está MESMO MUITO saborosa...!

 

A base de batata doce é uma excelente alternativa para utilizar em pizzas, tartes e quiches. Para além de ser saudável fica bastante saborosa. É consistente e (na minha opinião) fica ainda mais agradável que a massa comum.

Este artigo é sem glúten

por Maria Inês Antunes, em 16.05.16

Hoje é o dia internacional do celíaco!

Não podia deixar passar esta data e decidi fazer duas receitas:

 

Pão com sementes de abóbora sem glúten

 

Scones de cardamomo sem glúten

 

 

IMG_20160515_232006.jpg

 

Questionei o sabor, a dificuldade e o tempo necessário para preparar tudo. Mas, não só é fácil de os fazer, como o pão tem apenas tem 3 ingredientes principais e os scones 6.

Acho que estou a preferir estas alternativas às minhas receitas tradicionais. (No final de contas: é no variar que está o segredo!)

 

 

Pão com sementes de abóbora sem glúten

 

Os 3 ingredientes principais  do pão são as farinhas de arroz e quinoa sem glúten e o psyllium husk fiber (fibra prébiotica, que cria consistência elástica, substituindo assim o glúten). Os restantes ingredientes que vai precisar são o fermento sem glúten, o sal, a água e as sementes de abóbora (opcional).

 

IMG_6140.JPG

 

100g farinha de quinoa sem glúten

200g de farinha de arroz sem glúten

10g de psyllium

1 c. chá sal

3 c. chá fermento sem glúten

400mL água

Sementes de abóbora q.b.

 

Misture as farinhas, o psyllium, o sal e o fermento numa tigela.

Deite a água morna e envolva até ficar uma massa elástica.

Deite as sementes de abóbora.

Quando tudo estiver misturado, deve deixar a massa repousar. Coloque uma manta sobre a tigela onde tem a massa e reserve-a numa zona quente cerca de 3 horas.

Depois de passado este tempo a massa deve ter aumentado o seu volume.

Unte uma forma com azeite e coloque a massa.

Coloque no forno a 200º C, cerca de 35 minutos (o forno deve estar pré-aquecido).

 

Et voilá!

 

 

IMG_6167.JPG

 

 

 

Scones com cardamomo

 

Estes scones saõ um must!

Confesso que tive receio que ficassem muito massudos, por estar a utilizar farinhas sem glúten.

Surpreendi-me a mim mesma.. Estão deliciosos!

Utilizei:

 

100g de flocos de aveia sem glúten

200g de farinha de arroz sem glúten

2 ovos

40g de manteiga de amêndoa

150 ml leite de amêndoa

2 c.sopa de agave

2 c. chá fermento sem glúten

1 c. chá sal

Cardamomo q.b.

 

IMG_6148.JPG

 

 

Pode utilizar farinha de aveia ao invés dos flocos. No entanto, eu tinha em casa flocos e triturei-os.

Misture as farinhas numa tigela.

Coloque os ovos e envolva. Deite o leite morno sobre a massa e envolva. Deite a manteiga de amêndoa, o agave, o sal e o cardamomo (apenas as sementes que estão no interior).

Envolva e disponha a massa na forma de bolas sobre um tabuleiro com farinha. Polvilhei o tabuleiro com farinha de arroz e utilizei-a também para passar pelas mãos e assim ser mais fácil de moldar os scones. Leve-os ao forno a 180º, por 15 minutos.

 

Vai adorar! 

Eu sou a prova...

 

IMG_6174.JPG

 

 

 

 

 

 

 

Comida saudável a todo o vapor

por Maria Inês Antunes, em 04.05.16

Já não há desculpa para não comer saudável fora de casa.

 

Fazer uma alimentação saudável significa fazer escolhas correctas.

Numa época em que tanto se fala da notoriedade do modelo alimentar saudável é importante aproximarmo-nos sempre que possível das suas principais características e adoptar um estilo de vida que recorra à variedade de produtos alimentares sazonais, privilegia a utilização de produtos frescos e locais e métodos de confecção que preservem a qualidade nutricional.

 

raíz.jpg

 

Cozinhar a vapor é o novo conceito do Cento e Quatroº, que abriu a 6 de abril no Atrium Saldanha.

Cento e Quatroº é a temperatura em que os 12 cestos são cozinhados a vapor, com uma duração de confecção de apenas 2 minutos.

Cozinhar a vapor permite um maior aproveitamento dos micronutrientes presentes nos vegetais. As refeições que provém deste método de confecção são efectivamente mais baixas em gordura, elevadas no teor de fibra e com um maior teor de micronutrientes retidos, comparativamente com os outros métodos.

 

logo.png

 

 

 

OS 12 cestos são assinados pelos Chefs Francisco Magalhães e Joana Xardoné e têm a minha colaboração como Nutricionista, grantindo a fiabilidade do perfil e das alegações nutricionais de todos os cestos (incluindo as sobremesas!)!

 

chocolate.jpg

 

Confesso que a minha primeira experiência no Cento e Quatroº foi o bolo de cacau a vapor. Ao calcular o valor nutricional fiquei muito surpreendida pelo valor calórico tão apelativo para um bolo. Não podia esperar mais e tive de comprovar o título merecedor de “uma sobremesa soberba” pelo sabor e pela textura do bolo com os pedaços crocantes de amendoim.

 

Na segunda visita não fui sozinha e consegui provar mais do que 3 cestos diferentes: o cesto de salmão com laranja e funcho; o cesto do mar com legumes e o cesto de tofu com quinoa.

 

Qual deles o melhor?!

Bela questão…

Voltei mais 2 vezes e provei mais dois cestos.

São todos tão diferentes! São para todos os gostos, todas as faixas etárias e tem opções para quem quer ou tem de fazer uma alimentação isenta de glúten e/ou lactose.

 

cesto_ravioli.jpg

A monotonia não vai existir para quem quiser almoçar frequentemente no Cento e Quatro º.

 

Têm de provar!

 

 

 

 

Pós parto e Amamentação

por Maria Inês Antunes, em 02.05.16

A alimentação da mãe deve ser saudável e equilibrada antes, durante e depois do nascimento do bebé.

 post-pregnancy-body2.jpg

É importante iniciar a gravidez com um Índice de Massa Corporal (IMC) Normoponderal (entre 18,9 Kg/2 e 24,9 Kg/m2). Um aumento de peso saudável e adequado na gravidez varia de mulher para mulher e tem como factor preponderante o peso pré-gestacional da mãe. Este aumento contribui de forma significativa para o sucesso na recuperação ou retenção do peso, até um ano após o parto.

 

Com o nascimento do bebé e o regresso a casa inicia-se uma nova etapa em família.

As alterações físicas e fisiológicas após o parto podem interferir com o bem-estar da mulher e, por isto, é importante ter em atenção uma série de factores, entre os quais a alimentação da mãe. Em grande parte dos casos a mãe sente uma pressão grande para recuperar o corpo que tinha antes de engravidar, levando a optar, erradamente, por restrições alimentares severas, que podem trazer como consequência algumas carências nutricionais.

 

Assim, deve assumir que a recuperação do peso é gradual e:

 

- Evitar o consumo de alimentos com elevado teor de gordura e alimentos fritos (batatas fritas, enchidos, queijos amanteigados, empadas, folhados, croquetes, rissois...)

-  Evitar doces de pastelaria, sobremesas doces e outros alimentos ricos em açúcar;

- Preferir a fruta fresca e da época ao sumo de fruta;

- Não fazer intervalos superiores a 3h00 entre refeições;

- Iniciar as refeições principais com sopa;

- Beber entre 1,5 a 2 Litros de água, diáriamente.

 

3017671-inline-s-2-photo-exhibit-shows-what-women-

 

 A amamentação

A alimentação da mãe influencia também o bebé se esta estiver a amamentar.

A decisão de amamentar é uma decisão pessoal, sujeita a muitas influências, resultantes da socialização de cada mulher. Para uma mãe que tenha a oportunidade de amamentar a recuperação física e ponderal torna-se mais facil.  

 

Deve ter em atenção os seguintes alimentos:

 

Alimentos que podem conferir paladar forte ao leite materno

A mãe deve estar atenta à reacção do bebé após o consumo de certos alimentos em crú, que podem alterar o paladar do leite materno e que podem ser causa de recusa momentanea da amamentação:

- Pimentos;

- Aipo;

- Alho francês;

- Especiarias e / ou Picantes.

Alguns destes alimentos não transmitem  paladar forte ao leite se forem cozinhados.

 

Alimentos que podem provocar flatulência ou cólicas no bebé:

As leguminosas, tais como o feijão, o grão, ou as lentilhas (especialmente as lentilhas com casca); a couve-flor e a couve-de-bruxelas ou outras couves mais fibrosas, são alimentos que uma vez consumidos pela mãe, podem provocar cólicas ao bebé que está a ser amamentado.

 

Todos os alimentos mencionados anteriormente, não devem ser excluídos da alimentação, apenas devem ser consumidos com moderação, e ter em atenção os sinais que o bebé pode desenvolver.

 

Café 

Pode continuar a beber café. O café deve ser tomado sempre após a amamentação, uma vez que a cafeína apresenta a sua concentração máxima duas horas após a toma e vai decrescendo durante as quatro horas posteriores à toma do café.

 

Consulte sempre o seu nutricionista, que o poderá orientar da melhor forma nesta nova fase da vida.

Nunca se esqueça que o sucesso na recuperação da forma física da mãe vai depender do cuidado que tem com a alimentação.

 

Maria Inês Antunes

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D