Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MARIA INÊS ANTUNES

Nutricionista

MARIA INÊS ANTUNES

Nutricionista

Agrião

por Maria Inês Antunes, em 01.03.16

agrião2.jpg

 

Agrião, um vegetal de torcer o nariz... Não pelas suas propriedades nutricionais, mas pelo sabor picante que levou ao seu nome científico, Nasturtium, derivado da expressão latina nasus tortus, que significa nariz torcido.

É um vegetal rico em ácido fólico e contribui ainda com cálcio, ferro, potássio e fósforo.

Utilizo-o como acompanhamento, em crú, ou al dente nas minhas sopas, para dar uma textura.

 

Segue a minha receita de creme de agrião:

 

 

Creme de agrião

200 gramas de agriões

2 cenouras

200 gramas de abóbora

1 courgette

1 cebola

2 dentes de alho

20 ml de azeite

1 colher (chá) de sal

 

Preparação

Arranje os agriões e reserve-os.

Descasque, corte em pedaços e coloque numa panela com água os restantes ingredientes (mantenha a casca da courgette).

Quando estiver tudo cozinhado adicione os agriões e deixe-os apenas até voltar a ferver, para ficarem al dente.

Adicione o azeite e triture.

 

 

agrião_sopa.jpg

 

 

Perfil Nutricional

A elevada ingestão de crucíferas está associada a um menor risco de desenvolvimento de cancro. Recentemente identificaram actividade anticarcinogénica nos isotiocianatos presentes no agrião.

 

Para os mais curiosos, estes mecanismos anticarcinogénicos incluem a inibição do citocromo P450 de fase I (resultando na diminuição da activação metabólica de compostos carcinogénicos), o aumento da resistência celular pela acção enzimática antioxidante (quinona reductase, glutathiona S-transferases, UDP glucuronosiltransferases), a inibição do ciclo celular e a indução de apoptose nas células cancerígenas.

 

A presença de flavonóides no agrião, como a quercetina, o ácido hidroxicinamico, o ácido ferulico e o o ácido p-coumarico exerce um efeito antigenotóxico, que resulta na diminuição dos danos do DNA e um efeito antiproliferativo das células cancerígenas.

 

Uma equipa de investigadores nacionais está a estudar o benefício do agrião como adjuvante terapêutico no tratamento oncológico. Este estudo é levado a cabo por uma equipa de investigação coordenado pela nutricionista Professora Doutora Paula Ravasco e visa esclarecer a capacidade das substâncias activas do agrião, nomeadamente a capacidade regenerativa das células, principalmente do DNA celular. Tem como objectivo de estudo uma menor toxicidade dos tratamentos, uma recuperação mais rápida e eficaz após os tratamentos, e melhor qualidade de vida.

 

 

Sabe bem e faz bem!

 

Maria Inês Antunes

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D