Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MARIA INÊS ANTUNES

Nutricionista

MARIA INÊS ANTUNES

Nutricionista

DIETA SAUDÁVEL SEM SER CARA

por Maria Inês Antunes, em 03.02.16

Young woman cutting jewellery on plate with fork and knife, close-up Photo by Serge Krouglikoff on Getty Images

 

 

Comer bem, ou cada vez melhor, e sem gastar uma fortuna. É, ou não, o desejo de todas nós? Hummm… Ora vamos lá ver o que é que a nutricionista Maria Inês Antunes, do Holmes Place das Amoreiras, diz sobre o assunto.

Uma alimentação saudável deve ser moderada, equilibrada, simples e sustentável, para podermos por em prática todos os dias, prevenir o aparecimento de doenças crónicas e elevar o bem-estar. A atitude que temos perante aquilo que comemos reflete não só o nosso estado de saúde como também nos pode ajudar a poupar.

 

Organizar o seu dia ou a sua semana pode fazer a diferença:

 

Tome o pequeno-almoço em casa

Um pequeno-almoço tomado em casa não é tão monótono comparativamente a consumir todos os dias um croissant ou uma sandes mista e um galão no café. Pode variar entre fruta, pão, iogurte, tostas, queijo e cereais e tornar esta refeição mais divertida e apelativa. Faça um porridge (papas de aveia) com frutos vermelhos ou romã ou opte por uma panqueca caseira de quinoa com frutos secos e mel.

 

Reutilize sobras

Congele ou refrigere, para utilizar à posteriori, alimentos que tenham sobrado de uma refeição principal. Pode, por exemplo, fazer pudim de peixes ou empadão de frango com batata doce. Seja criativo!

 

Utilize adequadamente o frigorífico

Ajuste a temperatura do termostato para uma temperatura inferior a 4ºC. O ar frio deve circular por todo o interior e por isso não deve encher o frigorífico para conseguir manter uma temperatura adequada para todos os alimentos. Não misture fruta com legumes na mesma gaveta. Algumas frutas como o pêssego e as ameixas, libertam gases, nomeadamente o etileno, que aceleram o processo de degradação e amadurecimento dos alimentos que estejam próximos.

 

No supermercado faça escolhas acertadas

Planeie as refeições da semana e faça uma lista de compras do que vai precisar. Deste modo quando for ao supermercado vai dirigir-se apenas ao estritamente necessário. Vá às compras depois de uma refeição e não vá ao supermercado com apetite. Evite as compras por impulso que são desnecessárias e quase sempre pouco saudáveis.

Tome atenção ao preço dos alimentos por quilo. Prefira os alimentos frescos e tenha em atenção o custo acrescido dos hortícolas congelados e pré-preparados. Consuma as frutas da época e os vegetais da época Se consumir hortofrutícolas sazonais, compra os mais saborosos e consegue uma melhor relação entre qualidade e preço.

 

Consuma mais sopa

Na sopa pode utilizar uma infinidade de ingredientes e aproveitar partes de vegetais, como os caules, que geralmente são colocados de parte na apresentação de um prato principal. Consumida no início das refeições, limita o consumo da restante refeição, que na maioria das vezes é mais calórica.

 

Leve o almoço de casa para o seu local de trabalho

Reserve o que sobra de uma refeição caseira para o almoço no trabalho do dia seguinte. Se preferir, congele e guarde para uma refeição de outro dia da semana. Acondicione o recipiente numa mala térmica, de modo a manter a temperatura dos alimentos e evitar que sofram alterações.

 

Tenha sempre consigo pequenos snacks saudáveis

Ao invés de comprar um bolo ou ter um pacote de bolachas na gaveta da secretária deve trazer sempre consigo pequenos snacks, como por exemplo os frutos secos, barritas de cereais ou de frutos secos caseiras e fruta fresca. Se levar marmita opte por snacks mais elaborados, que pode preparar em casa, como por exemplo tomate com queijo fresco, cenoura crua ou pipocas caseiras com canela.

 

Utilize as ervas aromáticas que cultiva

Seja numa varanda, num quintal ou numa marquise, haverá sempre espaço para colocar uns vasos com ervas aromáticas. Pode utilizar ervas aromáticas frescas e de confiança à mão e já não terá de as comprar.

 

Beba água da torneira

A água da rede pública é submetida a análises anuais cujos resultados são controlados para cumprirem os critérios de qualidade fixados na legislação portuguesa. A legislação nacional tem fixadas normas para a concentração de certas substâncias dissolvidas na água, que têm de ser estritamente respeitadas pelas entidades distribuidoras de água. Estes parâmetros são fixados pela União Europeia e estão em consonância com as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Em Portugal, o Instituto Regulador de Águas e Resíduos (IRAR) é a autoridade competente para os efeitos de controlo. Segundo a Deco, se beber 2 litros de água da torneira ao fim de um ano gasta cerca de 1,75eur.

 

Alimente-se conscientemente

Seja racional com a quantidade de alimentos que coloca no prato e que lhe são favoráveis, de acordo com as suas necessidades energéticas diárias.

MIA

Maria Inês Antunes

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D